Violão – Paulo Martelli (SP)

Violonista brasileiro de reputação internacional, Paulo Martelli, tem desenvolvido prolífica carreira de solista, paralela à intensa e contínua atividade acadêmica. Considerado um dos melhores violonistas de sua geração, Paulo é um musico eclético de sólida educação musical, premiado internacionalmente e diplomado nas melhores escolas de musica dos Estados Unidos: a Juilliard School e a Manhattan School of Music.

Idealizador e curador da série Movimento Violão, um projeto que acontece consecutivamente em São Paulo nas unidades do SESC na Capital, em Ribeirão Preto no Teatro Minaz, e em Araraquara no Teatro Municipal, levando o melhor do violão erudito ao publico em apresentações mensais gratuitas. Atualmente considerada por unanimidade como a mais importante série de violão do país.
Paulo Martelli é referência por seu trabalho de musico e agitador cultural se apresentando com freqüência nos Estados Unidos e Europa. Em 2004 ele compôs a trilha para o ballet “O Homem que Odiava Segunda Feira” do Grupo Gestus, cujo CD foi lançado em 2005. Este trabalho recebeu o prêmio “Caravana Funart 2006”.
Em 2006 ele lança o CD “Miosótis” com composições de José Henrique Martiniano em arranjos inéditos e com a participação de João Luis Resende Lopes.
Ele realizou o recital de encerramento da série Aranjuez de violão no Weill Recital Hall-Carnegie Hall em abril de 2002, recebendo excelentes críticas por seu desempenho. Em novembro de 2001, participou de uma turnê nos EUA apresentando-se em 28 dos principais centros musicais americanos em colaboração com o violinista americano Mark O’Connor e a Metamorphosen Chamber Orchestra.

Em 1999, foi um dos vencedores da Bolsa Virtuose do Ministério da Cultura que lhe possibilitou desenvolver pesquisa sobre os sistemas de tablatura e ornamentação barroca na Manhattan School of Music de N.York.
Desta instituição ele recebeu o Prêmio Segovia pelo seu brilhante desempenho acadêmico e alto nível performático durante o ano 2000, sendo até o momento o único violonista brasileiro contemplado com o referido prêmio.
Paulo Martelli apresenta-se com freqüência em recitais e “master classes” no Brasil e no exterior, bem como camerista em diversas formações instrumentais.

No ano 2000 ele lançou seu segundo CD solo pelo selo americano The Woodhouse. O CD, intitulado ROOTS, é todo dedicado ao repertório sul-americano, trazendo inclusive peças inéditas deste repertório.
Este trabalho recebeu os mais elevados elogios, sendo qualificado pela revista japonesa Guendai como definitivo, sendo reeditado pelo selo americano “Chaos Theory Music” (USA) em 2007.

Paulo Martelli concluiu o curso de mestrado na Juilliard School of Music em Nova York, EUA, em dezembro de l995, onde foi contemplado com várias bolsas de apoio acadêmico. Neste mesmo ano foi um dos vencedores do Artists International Competition e como prêmio, realizou seu “Debut Concert” no Weill Hall – Carnegie Hall.
Martelli apresentou-se também no Festival “Focus” realizado anualmente no Alice Tully Hall, N. York.
Em 1997, no Brasil, por ocasião das solenidades em homenagem ao centenário do compositor Francisco Mignone, foi o solista convidado pela Orquestra Sinfônica de Campinas para a estréia nacional do Concerto para Violão e Orquestra deste compositor. Foi vencedor de várias competições musicais, entre elas o IX Concurso Jovens Concertistas Brasileiros, realizado no Rio de Janeiro em 1991 pelo qual foi premiado com a bolsa de estudos que iniciou o seu período de atividade acadêmica no exterior.
Foi vencedor também, entre outros, do IV Concurso Villa Lobos de Canto e Violão em Vitória, ES, 1987, e do I Concurso Nacional da Faculdade Mozarteum de São Paulo, em 1986. Martelli estudou sob a orientação de Francisco Brasilino e Henrique Pinto, tendo como principal mentor o violonista e luthier Sergio Abreu.
Em 1994, ele lançou seu primeiro CD pelo selo GRI Music do Canadá, o qual foi muito bem recebido pela crítica internacional, em particular pelas revistas especializadas “Guitar Player”, “Gendai Magazine of Japan” e “Guitar Solo Publications”, a qual o qualificou como um “talento excepcional”. Nos últimos anos Paulo Martelli vem se dedicando também ao violão de 11 cordas, sendo um dos únicos virtuosos deste instrumento na atualidade. Atualmente Martelli é professor da EMESP.

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: